Equipa de Lisboa
AdrianaTemporão.jpg
Adriana Temporão

Eventos "Com pés e cabeça"

O momento em que percebi que a maioria dos problemas da sociedade podem ser resolvidos através da Ciência, foi quando decidi enveredar por uma carreira científica. Acredito que o objectivo principal de todas as actividades científicas deve ser orientado para a promoção da qualidade de vida das populações. Apaixonada por parasitologia e biologia estrutural, trabalho com dois parasitas a fim de entender melhor a interacção (=comunicação) parasita-hospedeiro. No meu dia-a-dia, entre tubos de ensaio e microscópios, “comunicação” é a palavra chave, porque não fazê-lo num bar com bom ambiente e uma cerveja na mão?

Andreia Maia

Eventos "Com pés e cabeça"

Cientista, curiosa, bioquímica, mestrado em Biologia Molecular e Genética. A ciência, para além de um bom gin, é o que mais me fascina e comunicar ciência é tão importante como desenvolvê-la. A minha área de investigação é o cancro e estou neste momento a trabalhar na Fundação Champalimaud. 

Bárbara Barreno

Eventos "Com pés e cabeça"

O que é melhor do que uma conversa de café? Uma conversa de café em que há partilha de conhecimento. Acredito que a melhor forma de aprendermos é num ambiente descontraído e a ouvir pessoas que têm paixão por aquilo que fazem a falar. A medicina é o meu mundo e ambiciono um dia conseguir responder a algumas questões que se calhar ainda nem foram perguntadas.

Beatriz Lopes

Eventos "Do 8 ao 80"

Sou química e com uma veia em biologia. As minhas áreas de interesse são a química e a toxicologia forense, se quiserem falar comigo de algum assunto destas áreas tragam um fino (ou dois!), porque a conversa pode ser longa. Adoro ler, música, natureza e descobrir locais novos. Desde sempre que a ciência faz parte da minha vida, por isso no Pint of Science espero poder partilhar e aprender ciência com pessoas de áreas diferentes da minha. 

Catarina Miranda

Eventos "Do 8 ao 80"

Iniciante na área da Astrobiologia, com a licenciatura em Biologia e minor em  Física. Independentemente de estudar o funcionamento das células, as leis do  niverso, ou mesmo a composição química de uma das luas de Marte, a ciência sempre foi acompanhada pela cerveja. A meu ver, nada melhor do que conviver com os amigos, tentar simplificar problemas complexos e, como é óbvio, beber uma cerveja ao final do dia.

Chiara Flagiello

Eventos "O nosso Mundo"

Sou apaixonada por animais e pela natureza, estudei Ciências Naturais e me especializei em ornitologia. Achei que queria fazer pesquisa até descobrir que a paixão pela comunicação era muito forte, a partir daquele momento me envolvi com a educação ambiental e a comunicação científica. Gosto muito de fazer caminhadas e acampar e, porque não, de beber com os amigos!!

Christian Ramos

Eventos "Cabecinha pensadora"

Sabem porque é que os neurónios morrem? Eu também ainda não, mas estou a matar alguns para tentar descobrir. E qual o papel do RNA nestas coisas do envelhecimento e doenças neurodegenerativas? No fundo, procuro responder como é que a desregulação da quantidade e localização do RNA promove a disfunção dos neuronios. Mas isto é realmente relevante? Sim, mas será ainda mais estabalecendo a ponte entre o cientista e o cidadão, falando a mesma lingua, saciando a enorme curiosidade cientifica das pessoas de maneira que elas entendam e se entusiasmem.Saber mais coisas é tão fascinante! Mas é preciso perceber o que nos estão a dizer. Pint of Science é o "local" perfeito para isto, informal, relaxado, onde se fala de ciencia com a mesma casualidade que se fala da noticia do dia de ontem.

Eduarda Mota da Silva

Imagem e vídeo

Formei-me em engenharia biomédica, mas a meio do percurso descobri que investigação científica era a forma mais estimulante de "engenhar". A minha área predileta de investigação é medicina translacional, em que cada pergunta tenta dar resposta a um problema prático e actual na área da medicina.
Actualmente,  estou a fazer o meu doutoramento. Estudo implantes ortopédicos metálicos que se degradam no nosso corpo e desaparecem sem deixar rasto... Serão uma boa solução às dolorosas cirurgias suplementares para remover implantes? Tenho todo o gosto em discutir este, e outros assuntos, com um copo na mão.  Para mim, tão importante como fazer ciência é falar sobre ela de forma simples e descomplicada. E a verdade é que uma cerveja sempre ajudou a um discurso mais fluído não é mesmo?

Filipe Lopes
Imagem e vídeo

Estudante de matemática e amante de tecnologias, estou sempre interessado em novos desafios, principalmente quando envolvem o conforto de um bar e o prazer de aprender algo novo. Isto até parece estranho um estudante de matemática ter interesse em edição de vídeo e imagem, mas faz todo o sentido pois em tudo existe Matemática, até nos 33cl de uma cerveja.

Joana Gomes

Eventos "Cabecinha pensadora"

Licenciada em Bioquímica e atual aluna do último ano de mestrado em Neurociências. Desde criança uma curiosa, sempre em busca de respostas para todos os porquês das coisas. Toda essa curiosidade levou-me ao mundo científico, aquele que desafia diariamente o desconhecido, que segue a busca infindável pelo conhecimento. Uma apaixonada pela investigação, pela ciência e pela comunicação. Defensora da ideia que o conhecimento se ganha através da partilha e, por isso, porque não conhecer um pouco mais de ciência na companhia de uma cerveja fresquinha?