Chatear Camões

direito, história, política e línguas

ESCRITA, A FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM
17 de maio · 20h00 · online · gratuito 
8iGbqeMyT.png
Cópia de Diana Martins.jpg

Diana Maria Martins - Agradar e tocar: algumas notas para uma caracterização do livro-brinquedo 

Diana Maria Martins (CIEC, UMinho)

Diana Maria Martins é professora no IPCA - Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (Escola de Design) e investigadora do Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), na Universidade do Minho. Desenvolve a sua investigação em torno da LIJ e da ilustração, particularmente dedicada aos livros-objeto e aos livros-brinquedo.

Intui-se refletir sobre alguns conceitos inerentes à edição de natureza provocadora, encantatória e lúdica, que extravasa os termos do livro tradicional, dirigida a bebés e leitores iniciais. Assim, através da mobilização de saberes diversos, serão dados a conhecer os principais aspetos distintivos do livro-brinquedo, bem como serão revisitados alguns volumes de autoria portuguesa que podemos intitular de pioneiros neste âmbito. 

Cópia de Eloy Rodrigues.jpg

Eloy Rodrigues - A ciência aberta e a pandemia

Eloy Rodrigues (Serviços de Documentação, UMinho)

Eloy Rodrigues é Director do Serviço de Documentação e Bibliotecas da Universidade do Minho. Defensor e promotor do acesso aberto e da ciência aberta, aos quais dedicou boa parte do seu trabalho nas duas últimas décadas, criou o RepositoriUM em 2003 e coordena o RCAAP desde 2008. É Presidente da Confederation of Open Access Repositories (COAR).

A pandemia de COVID-19 teve um profundo impacto na forma de fazer e comunicar ciência, em especial na área biomédica, com adoção de várias práticas que há muito vinham sendo promovidas, com sucesso limitado, pelos defensores da ciência aberta. Mas será que este  modo mais aberto e colaborativo de fazer ciência se vai manter após a pandemia?